Em Breve Terá Telescópios Gigantes e teletransporte quântico 'Grande Descoberta' - SponTecnologia Em Breve Terá Telescópios Gigantes e teletransporte quântico 'Grande Descoberta' - SponTecnologia

Anuncio No Post

Em Breve Terá Telescópios Gigantes e teletransporte quântico 'Grande Descoberta'

Compartilhar


Uma equipe de pesquisadores de Harvard publicou recentemente os primeiros estudos indicando
que uma teoria complexa da física quântica poderia ser explorada para criar telescópios
enormes e de alta resolução.Os astrônomos do futuro verão os confins distantes do nosso
universo através do nosso universo através do teletransporte

tecnicamente.é chamado de 'Entrelaçamento' mas funciona basicamente como um teletransporte.
um par de partículas quânticas se tornam 'emaranhadas' umas com as outras de tal maneira
que qualquer coisa que acontece com uma partícula acontece com a outra,mesmo se elas estiverem
separadas pela distância ...você deve estar talvez Até duvidando né?pode acreditar o futuro
promete grandes descobertas como essa...

A grande ideia aqui é que,com a ajuda da tecnologia quântica,podemos fazer telescópios  realmente
grandes,E isso é um grande negócio. O maior telescópio que podemos fazer agora vem na forma do Telescópio Extremamente Grande Seu espelho tem apenas 40 metros de diâmetro e custa um bilhão de dólares.
Felizmente, os engenheiros criaram uma solução para lidar com as ridículas despesas de construir gigantescos espelhos telescópicos: eles colocam espelhos menores em grupos chamados de matrizes. Infelizmente, esses arrays só podem ficar tão grandes antes que haja muita perda de dados - chamada ruído - para que os cientistas possam obter imagens úteis deles. Esse limite é algo em torno do equivalente a um espelho de 330 metros, se você julgar pelo maior conjunto feito até agora.






Esses sistemas de telescópio representam o que muitos especialistas consideram o pico daquilo que somos capazes de fazer sob os limites industriais atuais. Claro, com um pouco mais de tempo e bilhões de dólares a mais, podemos alcançar alguns aumentos de tamanho modestos, mas provavelmente estamos pairando no limite.

Emaranhamento quântico poderia mudar tudo isso, mas infelizmente a maneira como (teoricamente) funcionaria envolve o disparo de um fluxo constante de fótons entrelaçados para o espaço. Apesar das recentes descobertas, nossa compreensão da computação quântica, como uma espécie, não é forte o suficiente para realizar esse tipo de perícia hercúlea da engenharia quântica. O grande número de fótons envolvidos atinge, bem, proporções astronômicas.
Mas e se houvesse uma maneira de reduzir o número de fótons emaranhados necessários para um número mais prático?

Isso é exatamente o que a equipe de Harvard fez.

Basicamente, seu trabalho indica que, explorando um fenômeno chamado de “memória quântica”, o número de fótons emaranhados necessários para o telescópio do futuro funcionar é muito menor.

Segundo os pesquisadores:

    A taxa necessária de distribuição de emaranhamento é reduzida em várias ordens de magnitude, o que abre perspectivas realistas para o emprego de redes quânticas de curto prazo para imagens de alta resolução.

O que isto significa? Para começar, a equipe sugere que um conjunto de telescópios poderia ser criado com um tamanho equivalente a 30 km - 100 vezes maior do que o maior nos padrões de hoje.

Como o trabalho da equipe de Harvard informa o desenvolvimento futuro - e os avanços do hardware de computação quântica continuam - agora é quase certo que a ótica do telescópio se tornará maior e com maior resolução, com materiais menos caros necessários.

Eventualmente, isso significa que os custos devem cair, o que irá percorrer um longo caminho no sentido de inaugurar a era quântica da astronomia.

É perfeitamente possível que um dia tenhamos telescópios do tamanho de planetas movendo-se por toda a nossa galáxia, capturando imagens de planetas nascendo, estrelas morrendo e drones de entrega de pizza intergalácticos, trazendo a maior exportação da Terra para as massas famintas.

Um dia vamos revelar os cantos mais escuros do nosso universo ,isso tudo graças á natureza excêntrica da física quântica.

fonte:Universidadehavard




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Anuncio No Post